ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL

SNP - NORMA 25. DAS ACADEMIAS GERAIS

ORGANIZAÇÃO DAS SOCIEDADES
CULTURAIS E CIENTÍFICAS


PROJETO LÍNGUAS DO BRASIL (Conheça-o no rodapé desta página)

Escritor, localize no quadro infra a Sociedade Cultural ou Científica de sua área e entre em contato conosco para agendar, na Seccional Estadual de seu domicílio, sua diplomação e posse.
E-mail direto do Presidente: carabajalopes@gmail.com

Projeto Piloto para o Brasil.

Compete aos Presidentes de Seccionais Estaduais da ALB, utilizarem os modelos infra, para a expansão da ALB em seus respectivos Estados. Expansão, sem contudo, levar, nestas instâncias, o nome da ALB. Nas Seccionais Estaduais, sob as respectivas presidências, fomentam-se as criações das Academias com os nomes dos municípios, sem contar com a sigla ALB. Não obtante, paralelamente, criam-se seccionais municipais da ALB, levando o nome da organização. Da mesma forma, sem contar com a sigla ALB, as presidências fomentam a criação das Academias Estaduais de: Imprensa, Ciências políticas, Fotografia, Artes, Cinema, Trova e Folclore, Ciências Exatas, Ciências Biológicas, Ciências Humanas, Ciências Agrárias, de Psicologia, de Pesquisadores, de Psicanálise Clínica, Ciências Jurídicas, Universitária, de Educação, Estudantil, Empresarial e Industrial, de Filosofia, de Letras Indígenas.

No Estado ou Município, quando da diplomação e posse dos novéis Imortais, idealmente antes da diplomação, a Presidência Estadual e Municipal, deve identificar entre os Membros àqueles que mais identificam-se com este ou aquele segmento, jornalístico, estudantil, educacional, científico, indígena, e, por ocasião da solenidade, além de diplomar o novo Membro, apontá-lo, com consulta de aceite prévio, como responsável 'Presidente Pró-tempore' do segmento de seus interesses. Ainda, aqueles que não assumam responsabilidades com a organização segmentar e profissional das Academias, solicitar-lhes, minimamente, o fomento da ALB/Municipal e Academia Municipal em sua cidade Natal.

Importante. Os Presidentes Estaduais devem oferecer toda orientação necessária à criação das novas organizações, sem necessariamente manterem vínculo hierárquico com as academias gerais, fomentadas suas criações pela ALB.

Infra, os pré-requisitos e exigências mínimas à criação das respectivas Academias.

Pré-requisito

Exigência mínima

Academia em formação

Escritores com publicações em livros, jornais ou revistas.

Comprovar produção literária.

Academia Municipal de Letras de seu município

 

Atuar em televisão, rádio, revista ou jornal.

Comprovar produção literária.

Academia Roraimense de Imprensa.

 

Ex-candidatos a cargos eletivos em Roraima, que não conquistaram mandatos.

Comprovar produção literária.

Academia Roraimense de Ciências Políticas.

 

Fotógrafos Profissionais.

Comprovar produção fotográfica de cunho sócio-histórico e artístico-cultural.

Academia Roraimense de Fotografia.

 

 

Artistas Plásticos

Comprovar produção artística de caráter social, político, sócio-histórico e geográfico.

Academia Roraimense de Artes.

 

 

Cineastas, escritores e roteiristas.

Comprovar produção dirigida à cinematografia.

Academia Roraimense de Cinema.

 

Trovadores e folcloristas.

a) Comprovar articulação e improviso em trova.

b) Comprovar estudos, pesquisas ou produção literária voltadas para o folclore.

 

Academia Roraimense de Trova e Folclore.

 

Matemáticos e formadores das ciências exatas.

Comprovar produção literária

Academia Roraimense de Ciências Exatas.

 

Biólogos e formadores das ciências biológicas.

Comprovar produção literária

Academia Roraimense de Ciências Biológicas.

 

Sociólogos e formadores das Ciências Humanas.

Comprovar produção literária

Academia Roraimense de Ciências Humanas.

 

Agrônomos e formadores das Ciências Agrárias.

Comprovar produção literária

Academia Roraimense de Ciências Agrárias.

 

Psicólogos

Comprovar produção literária

Academia Roraimense de Psicologia.

 

Cientistas com doutorado ou Pós-doutorado e Livre-docência.

Tese de doutorado. Revisão Científica. Dissertação livre.

Academia Roraimense de Pesquisadores.

 

Psicanalistas.

Comprovar produção literária

Academia Roraimense de Psicanálise Clínica.

 

Astrônomos e formadores das ciências astronômicas.

Comprovar produção literária

Academia Roraimense de Ciências Agronômicas.

 

Escritores, Bacharéis em Direito, Advogados, Promotores, Juízes, Desembargadores.

Comprovar produção literária na área jurídica.

Academia Roraimense de Ciências Jurídicas.

 

Estudantes Universitários

Comprovar produção literária

Academia Universitária de Roraima.

 

Empresários e Universitários

Comprovar produção literária

Academia Empresarial e Industrial de Roraima.

 

Filósofos e pensadores.

Comprovar produção filosófica.

Academia Roraimense de Filosofia.

 

Índios e descendentes.

Comprovar produção literária

Academia Roraimense de Letras Indígenas.

 

 

 

 Organização das Academias de Letras Indígenas do Brasil.

 

 

PROJETO LÍNGUAS DO BRASIL

  Nos objetivos da ALB, além da cultura da Língua Nacional, observa-se especial atenção às demais línguas cultuadas e praticadas dentro das fronteiras de nosso país. As quais, somadas, correspondem a 0,5% da população brasileira. Em 2011, o presidente da ALB apontou para um pesquisador da USP para assumir a Presidência Pró-tempori da Academia Brasileira de Letras Indígenas, cujo objetivo, remete a união das diversas línguas, aproximadas 180, em material único. Contudo, iniciando pela 10 mais faladas no Brasil, com exceção da Língua Portuguesa. Em 2012, Mário Carabajal, presidente da ALB, em projeção de agendamento, encontrar-se-á em Roraima, visitando comunidades indígenas, indicando jovens índios, para comporem a Academia Roraimense de Letras Indígenas, como base à organização da Academia Brasileira de Letras Indígenas. Em agosto de 2012, é prevista a ida do Presidente da ALB ao Estado do Matro Grosso do Sul, para instalação, diplomação e posse, dos Escritores Membros, Imortais, da Seccional Estadual da ALB/MS, sob a presidência da Escritora Imortal, Nena Sarti, oportunidade, em que também se lançará as bases de formação da Academia de Letras Indígenas do Estado do Mato Grosso do Sul, somando à conquista de instalação da Academia Nacional, que congregará as múltiplas línguas das mais de duzentas Etnias que compõe as Línguas do Brasil.